• Estopim Coletivo Facebook
  • Estopim Coletivo Instagram
Please reload

aos passadores de pano: cotidiano feminino

12 Apr 2017

alguns vão questionar ou inventar razão, não vão sacar que se trata de uma opção

 

cegueira seletiva que te faz favorecer teus mano, ah, seu passador de pano!

 

enquanto as mina tão sofrendo e sendo silenciada há miliano

 

confortante saber que o pano rasga, já dizia Issa Paz e Sara Donato

 

enquanto você se engasga com seu machismo velado

 

minha voz ecoa daqui até o outro lado, chego pra acabar com esses teus aliado

 

com a mensagem empoderada, eu chego é na rajada

 

pra dizer que eu só saí pra ver a lua... cê tá ligada: assovio e buzina na rua

 

cantada mascarada de elogio, querem acabar com a nossa luta

 

se eu reajo: ou tô com TPM ou eu sou puta!

 

mas cê tá por fora do prazer que eu me proporciono

 

só de me poupar do contato com macho que sustenta o patriarcado

 

eu tiro onda e isso já me faz um bem danado

 

minha voz não vai ficar calada, diminuída, submissa

 

eu tenho opinião própria e expressão

 

aqui é mais que luta: é resistência, é revolução

 

subo no busão e com repulsa eu viro a dona da atenção

 

cabelo largado, suvaco peludo ou mini saia

 

não tô pedindo pra você me encoxar, então vaza!

 

minhas escolhas não têm nada a ver com você

 

essa é a minha vida e o meu procedê

 

não é você quem sustenta o meu rolê

 

se teu papo é de pela saco e eu não te dei abertura

 

o que te faz pensar que eu gostaria de qualquer tortura?

 

não entendo a diferença salarial,

 

se no desespero é pra nóis que cês vem pagar um pau

 

por que é tão difícil respeitar se eu também tô no mundo e é pra somar?

 

e eu acho até uma piada, se eu tô acompanhada

 

e recebo tua cantada, não é pra mim que tu se retrata!

 

mas sangue no zóio tá sobrando, praqueles que saem se gabando

 

só porque um papo eu fiquei trocando, aff mano!

 

é porque eu tenho buceta que você tá me tirando?

 

fala sério, eu jamais vou passar pano

 

tô aqui mandando rima e os mano segue desacreditando

 

mas deve ser difícil escutar tanta maldade

 

que aqui eu trago com a minha verdade

 

se cê tá achando ruim, passa lá em casa mais tarde

 

porque pra você poder falar, tem que buscar os meus boletos e levar lá pra pagar!

 

senão cê vai sair com o rabo entre as pernas, não late e não faz alarde

 

aceita que dói menos e a duras penas cê vai vendo

 

que as mina tão unida e é no relento

 

que a voz machista eu vou soprar aos quatro vento

 

seu exijo máximo respeitoe a utópica igualdade de gênero

 

é isso que vai trazer a revolução pro mundo inteiro

 

o feminismo chegou e o teu discurso vai ser pisado, maltratado, esculachado

 

que aqui não vai sobrar espaço pra opressão de nenhum machão

 

então chega mesmo irmandade, vamos ocupar toda essa cidade

 

repelir toda a misoginia e se pra isso for preciso:

 

nóis afoga a agonia junto com o seu machismo!

 

 

Ilustração:

Harumi Hironaka

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Gostou da leitura?

Assine a revista Estopim Coletivo

e financie a produção de conteúdo independente

sobre política e cultura.

Please reload