• Estopim Coletivo Facebook
  • Estopim Coletivo Instagram
Please reload

Michel Treme

19 May 2017

Ato contra Temer reuniu aproximadamente 7 mil manifestantes em Florianópolis no dia 18 de maio

A mais recente manifestação popular contra Temer e por eleições diretas teve adesão diversificada e novos episódios de repressão policial. Foto: Ramiro Furquim / Estopim Coletivo

 

Entoando uma de suas mais novas composições o “Ai, ai ai ai ai ai ai, se empurrar o Temer cai”, os movimentos populares de Florianópolis, que foram às ruas do centro da cidade na última quinta-feira, 18 de maio, saíram do TICEN, às 18h, em manifestação contrária ao presidente Michel Temer e por eleições Diretas. No auge do ato, estima-se que 7 mil pessoas se esforçaram para unificar a esquerda de Florianópolis.

 

Os ilhéus que sabiam desde sempre que o impeachment de Dilma foi um golpe e não os que ficaram sabendo apenas depois do Plantão da Globo, que revelou as gravações feitas por Joesley Batista, da JBS, comprovando que Temer comprou o silêncio de Eduardo Cunha, começaram sua aglomeração às 17h no TICEN.

 

O ato teve adesão diversa dos setores de esquerda da capital, incluindo parlamentares e militantes dos partidos políticos de esquerda, movimentos e entidades estudantis, sindicatos de trabalhadores e movimentos sociais. Mas, nos principais momentos de tensão com a polícia, houve divergência entre manifestantes que fizeram o trajeto no chão e os que participaram da marcha no caminhão de trio elétrico.

 

Da Mauro Ramos, os manifestantes caminharam em direção a Av. Beira-mar Norte. Depois, dobraram a Av. Othon Gama D’eça e retornaram para o TICEN pela Rua Jerônimo Coelho, onde encerraram o ato com um catracaço.

 

Intentona ocupacionista e episódios de repressão policial

Foto: Ramiro Furquim / Estopim Coletivo

 

No início da passeata, um grupo tentou driblar a segurança dos militares que avançaram no sentido da Mauro Ramos na frente do ato. Percebendo a oportunidade, os manifestantes atravessaram a praça Fernando Machado a fim de ocupar a Av. Gov. Gustavo Richard, por onde o fluxo de carros que vêm do Sul da Ilha acessa a ponte Colombo Salles para sair da Ilha.

 

Um efetivo reduzido da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) reprimiu com violência a intentona ocupacionista. Os militares agrediram o grupo com golpes de cassetetes, tapas no rosto e spray de pimenta. Um deles tentou acertar um golpe de voadora em um manifestante. Para obter sucesso neste momento de repressão, a PM acionou a cavalaria.

 

O ato contrário ao “presidento” e por eleições Diretas contou também com a proteção militar ao templo da Igreja Universal na Mauro Ramos. Incomodados com os gritos de “fascistas não passarão” e “não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da Polícia Militar”, os guardiões do templo cristão resolveram atirar balas de borracha e bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes depois que uma pedra foi atirada contra eles.

 Vídeo: Ramiro Furquim / Estopim Coletivo

 

Em ambos os momentos de tensão com a PM, jornalistas que trabalhavam na cobertura do ato foram vítimas de violência. A repórter Karina Ferreira, do Coletivo Maruim, foi agredida no rosto por um PM enquanto filmava a prisão do manifestante Vinicius Possebon na intentona ocupacionista. Outro jornalista foi atingido de raspão por uma bala de borracha na confusão em frente a Igreja Universal.

 

Bolsomico em Florianópolis

A quinta-feira de manifestações dos florianopolitanos teve um ‘’elemento surpresa’’, a vinda do deputado Jair Bolsonaro do PSC. Foto: Raquel Wandelli

 

Cientes da ilustre passagem do Deputado Federal Jair Bolsonaro na capital, integrantes da Marcha das Vagabundas organizaram um ato em repúdio à visita do ‘’mico” e também sofreram com a repressão policial. Elas foram dispersadas do seu direito à livre manifestação com spray de pimenta e bombas de efeito moral.

 

O líder de direita foi ao Hotel Majestic a convite do também deputado Rogério Peninha (PMDB) para ministrar uma palestra. Bolsonaro negocia sua mudança para uma nova sigla, o partido ‘’Muda Brasil’’ e pretende se lançar candidato à presidência nas eleições que, até a presente data, permanecem marcadas para 2018.

| GALERIA DE FOTOS POR RAMIRO FURQUIM / ESTOPIM COLETIVO |

1/20

| O DIA DO EVENTO NAS REDES SOCIAIS |

 

 

 

 

Fotos:

Crédito nas imagens.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Gostou da leitura?

Assine a revista Estopim Coletivo

e financie a produção de conteúdo independente

sobre política e cultura.

Please reload